Ode ao trapo

Nasce e cresce num enclave de Paris. Parte paredes, ergue ferro palácio estofado. O equilíbrio é partidário. O comércio enleva-se. O dinheiro concentra-se. Ao fim do dia, a mesa de Mouret é cama onde repousa a moeda. O Paraíso das Damas onde floresce Denise é a estufa onde Émile Zola incuba a essência do mercado moderno….

Bem-vindo(a)!

O primeiro de muitos, com uma angústia incutida e a esperança de um dia vir a fazer valer o nome que me deixou. As minhas pedras, ele as montou. Escrito meses antes de falecer, hoje relembro-o. Hoje é o dia em que floresce o excepcional por ele semeado em mim. Talvez este espaço não vingue,…