Bem-vindo(a)!

O primeiro de muitos, com uma angústia incutida e a esperança de um dia vir a fazer valer o nome que me deixou. As minhas pedras, ele as montou. Escrito meses antes de falecer, hoje relembro-o. Hoje é o dia em que floresce o excepcional por ele semeado em mim. Talvez este espaço não vingue, todavia, talvez eu vingue com ele.

          O meu avô adora Matemática. Lia livros de um trago e dormia (c)em horas (talvez mais). O meu avô tem galinhas e uma horta. Passa o Natal connosco e joga trivial depois de muita insistência. O meu avô tem uma gata. A Beringela. E um pinheiro. Manso. Motivo de discussões. E vasos com morangos. O meu avô tinha uma mota e plantava batata doce. Cortava-me a carne aos bocadinhos e separava tudo em saquinhos. O meu avô joga no totoloto e gosta de ler os mexericos nas revistas.

Quando era pequena via os documentários da RTP 2 ao seu colo. Víamos os animais selvagens, os pequenos e os grandes. Quando era pequena ajudava o meu avô a descascar ervilhas. Sentávamo-nos no quintal em frente à porta de casa. Usávamos uma peneira. Quando era pequena víamos a Volta a França. E a Volta a Portugal. Ele tinha um mapa, vários até, e nós seguíamos com o dedo colado ao papel os caminhos que os atletas palmilhavam. Admirávamos a paisagem. Montanhas e montanhas. Vilas e aldeias. Ele gostava. Eu nunca percebi nada do desporto em si mas gostava também.

Tempos idos o meu avô ia visitar-me aos acampamentos de escuteiros. Eu tinha vergonha, então às vezes fingia que não o via. Não tinha vergonha dele. Tinha vergonha de mim. Os meus colegas excluíam-me das brincadeiras, das conversas e eu coloquei na cabeça provar-lhes que também eu merecia estar ali, que nada do que dissessem me iria esmorecer. Quando via o meu avô, essa submissão às provações revoltava-se. Queria ir-me embora. Sentar-me no banco de trás do seu carro e adormecer com a cabeça sobre a almofada, a nossa almofada, a almofada das netas.

O meu avô tinha o vício de se perder quando dávamos aqueles grandes, grandes passeios de carro. A minha avó ficava endemoninhada. Ele chama-a coxa. Ela olha-o zangada mas acaba sempre por lhe dar um beijinho. E rir-se um pouco. Sim. Eles amam-se. No presente. E depois outrossim. Ninguém disse que não podíamos amar quem não está presente tanto quanto amamos quem está.

Eu amo-o.

O meu avô gostava de ter tido uma educação e por isso lutou para que nós, filha e netas, a tivéssemos. Deu-me os seus manuais da EDP com descrições de circuitos eléctricos com um brilho nos olhos. Ainda me lembro da quantidade imensa de pó que eles traziam… Não sei onde os desencantou. Fez-me memorizar o nome de todos os reis de Portugal e saber de quem eram filhos e de quem eram pais. A lenda do pinhal de Leiria, e a do milagre das rosas das Caldas, eram constantes.

E a serra. Sim, a serra. Os piqueniques no Montejunto. O Baleal. Os acampamentos no Baleal, os banhos no Bom Sucesso e os gelados na Foz do Arelho. Lembro-me das últimas férias que passámos juntos na praia em que vocês dormiram no chão da varanda do apartamento porque não havia camas. Lembro-me de ter fechado a avó na casa de banho da rua e de ti, avô, a correres atrás de mim. Lembro-me das damas. Ganhavas-me quase sempre. E lembro-me de jogarmos às cartas e a avó te chamar velhaco.

Lembro-me sempre de ti. Todos os dias. E, se pudesse, mesmo que só um pouquinho, gostava de tirar-te essa dor que te oprime hoje. Partilhá-la, que fosse, contigo.

O meu avô não é o meu melhor amigo. É o meu avô, na acepção da palavra e em sentido figurado. É um segundo pai que em tempos idos o foi a dobrar. Nesse tempo mal sabia eu o que eram doenças a sério. Daquelas que roubam ao tempo o próprio tempo. Daquelas que adormecem e quando abrem o olho galopam ou se arrastam sem qualquer previsão.

O meu avô chama-se Mapril e tem cancro. Outro. Outra vez.

Não sei se alguma vez disse em voz alta mas admiro os meus avós. Por muito que tenham sofrido, eu gostava de envelhecer ao lado da mesma pessoa anos sem fim e ser assim… como eles. Deus os proteja porque pela primeira vez sei o que significa ser impotente.

Desejo que um dia os meus filhos sejam tão felizes como eu fui com vocês, avós. Deram-me a melhor infância que uma criança podia ter.

Orgulho-me em ser tua neta… meu querido avô.

Pouco após o adeus, descobri nos seus pertences um passaporte. Disse-me a minha avó que o sonho dele era viajar. Se os pés falassem, Espanha e Portugal descreveriam. Porém, se a alma falasse… as aventuras que ele teria para vos contar, as memórias das terras nunca vistas que ele teria para vos narrar… seriam inúmeras.

A ele devo os livros, e aos livros devo o amor que lhe devoto. Hoje viajo com outra pessoa. Escrevo com e sobre essa pessoa (Duarte). E sobre os livros que me oferece, e sobre a vida que me beija. Sobre o espírito que me cedeu.

Posto isto,

bem-vindos à minha sopa de letras =)

 

Anúncios

6 Comments Add yours

  1. Lorena Polli diz:

    Todos nós carregamos alguma saudade eterna, mas poucos conseguem externá-las no papel. Texto maravilhoso.

    Liked by 1 person

    1. sofiafsantos diz:

      Obrigada, Lorena. Por teres lido. Assim, sabe bem a partilha (:

      Gostar

  2. PArabéns por esse blog lindo e muito educacional! Sucesso!

    Liked by 1 person

    1. sofiafsantos diz:

      Muito, muito obrigada, Jeferson, do fundo do coração 🙂

      Liked by 1 person

  3. pedrol diz:

    muito interessante 🙂 há pessoas que nos marcam muito para além da vida não é? gostei bastante de te conhecer e a partir de agora cá virei visitar.te 🙂 abraço PedroL

    Liked by 1 person

    1. sofiafsantos diz:

      Muito mesmo Pedro 😃 abraço

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s